dragão e tigre

Conteúdo editorial apoiado por

dragão e tigre - À espera de recessão nos EUA, Allianz, JP e outras casas compram mais títulos públicos – e sentem os efeitos

Carteiras estão com rendimento abaixo da média, mas a crença é de que seria impossível economia não desacelerar após ciclo de alta dos juros

Bloomberg

Publicidade

(Bloomberg) – Convencidos de que uma recessão nos Estados Unidos estava próxima, alguns dos gestores de recursos mais proeminentes do mundo investiram em títulos do governo este ano em uma aposta ousada que compensaria as perdas sofridas em 2022. Mas essa estratégia agora está falhando mais uma vez, sobrecarregando-os com retornos abaixo da média e testando sua determinação à medida que a o sell-off se aprofunda semana após semana.

A semana passada foi especialmente dolorosa. O variação dos preços dos títulos do governo dos EUA caiu no vermelho em termos anuais com as taxas do Tesouro flertando com o maior patamar em 15 anos, refletindo a visão de que as taxas de juros podem ser elevadas nos próximos anos – e que a economia será capaz de sustentá-las.

E os títulos do Tesouro começaram esta semana com o pé atrás, mais uma vez, com os rendimentos de referência subindo nesta segunda-feira (21).

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Bob Michele  não se intimidou. O CIO de renda fixa da J.P. Morgan Asset Management, que previu corretamente a queda nos rendimentos do Tesouro de 2% em 2019  “até zero”, diz que agora sua estratégia é comprar a cada queda nos preços dos títulos.

O principal Fundo do JP, o Global Bond Opportunities, recuou 1,5% no mês passado e superou apenas 35% dos pares até agora neste ano, em comparação com 83% nos últimos cinco, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

Leia mais:

Outros no mesmo campo – entre eles Allianz Global Investors, Abrdn Investments, Columbia Threadneedle Investments, DoubleLine Capital e TCW Group – acreditam que a economia está apenas começando a absorver o impacto dos cinco pontos percentuais de aumento nas taxas do Federal Reserve (Fed, banco central americano). Uma curva de rendimento profundamente invertida, que é um prenúncio infalível de recessão, apoia essa visão.

“Não achamos que desta vez seja diferente”, disse Michele. “Mas desde o primeiro aumento da taxa até a recessão pode demorar um pouco. Continuamos a ver uma lista crescente de indicadores que só ficam nesses níveis se a economia dos EUA já estiver em recessão ou prestes a entrar em recessão”.

No entanto, a economia dos EUA continua a desafiar os obstinados da recessão. O crescimento está acelerando e novos empregos estão sendo criados. Os consumidores estão resilientes. Até mesmo a equipe do banco central dos EUA não está mais prevendo uma recessão. A mais recente pesquisa global do Bank of America descobriu que os investidores esperam cada vez menos uma recessão nos próximos 18 meses. E enquanto observam isso, estão tendo baixo desempenho e procurando maneiras de amortecer as perdas.

Esperando pela recessão

Para quem administra um fundo de títulos puro, existem várias alavancas para apostar a favor ou contra o crescimento econômico. Uma aposta anticrescimento seria aumentar a duration, medida de sensibilidade às taxas de juros, e alocar longe de ativos mais arriscados, como crédito de alto rendimento, que provavelmente enfrentará perdas por inadimplência corporativa em uma recessão.

Eles também podem se proteger fazendo ajustes temporários na duration, mesmo que isso vá contra suas visões de longo prazo.

Gene Tannuzzo, da Columbia Threadneedle, reduziu a durationdos títulos desde julho, à medida que a curva de rendimento se tornou mais profundamente invertida, mudando para títulos do Tesouro de prazo mais curto. O fundo Strategic Income que ele ajuda a gerir avançou 2,8% este ano, superando 82% dos concorrentes, segundo dados compilados pela Bloomberg.

“Os melhores dias para os títulos estão à frente”, à medida que o Fed se aproxima do fim de sua campanha de aumento de juros, disse Tannuzzo.

Em contraste, os gestores de fundos da Abrdn e da Allianz têm posições acima da média em duration. O TCW, como o JPMAM, está comprando Treasuries em momentos de queda de preços para adicionar à sua posição de longo prazo. A DoubleLine também aumentou recentemente as alocações de títulos de longo prazo, mas compensou isso com dívidas corporativas de curto prazo.

“Não achamos que vamos estar errados”, disse Mike Riddell, gestor de portfólio da Allianz. “Permanecemos por muito tempo. Não acreditamos que todo o aperto monetário não terá impacto no crescimento.”

Padrões históricos sugerem que aumentos de taxas levam a economia a uma queda na maioria das vezes. O ex-vice-presidente do Fed Alan Blinder estudou 11 apertos na política monetária de 1965 a 2022 e descobriu que quatro terminaram em um pouso suave com inflação estável ou mais baixa, e o restante em pousos forçados.

Mas se os rendimentos acompanharão o recuo das economias desta vez, é outra questão. Uma mudança importante nas necessidades de empréstimos dos EUA e de outras economias ricas significa que eles estão preparados para deixar os déficits crescerem para financiar o envelhecimento da população, gastos com defesa e cumprimento das promessas de reduzir as emissões de carbono.

Diante de uma enxurrada de emissões de dívida, os investidores exigirão rendimentos mais altos. Mesmo assim, manter posições vendidas no Tesouro em 2023 não foi sempre uma garantia de ganhos fáceis.

O fundo Virtus AlphaSimplex recuou cerca de 6% este ano. Embora sua posição em títulos e ações parecesse uma boa alternativa para se beneficiar do ambiente atual, uma grande parte dos pedidos de resgates ocorreu durante a crise bancária no primeiro trimestre, de acordo com Kathryn Kaminski, estrategista-chefe de pesquisa e gestor de portfólio do Grupo AlphaSimplex. Sua visão é de que as taxas continuarão elevadas, justificando a posição vendida.

“Se a inflação e as taxas permanecerem onde estamos agora, não há como o fluxo de caixa de longo prazo – sem prêmio de risco – ficar lá”, disse Kaminski. “Se as taxas não caírem rápido o suficiente, a renda fixa de longo prazo terá que cair de valor. É isso que o mercado está subestimando.”

De sua parte, Michele, do JPMorgan, está confiante de que os rendimentos dos títulos cairão assim que o Fed encerrar seu ciclo de aperto, muito antes do primeiro corte nas taxas.

“Quer a economia dos EUA entre em recessão ou em uma aterrissagem suave, o mercado de títulos sobe após o último aumento de juros”, disse ele. “O Fed pode manter as taxas nesses níveis por algum tempo, mas o crescimento e a pressão inflacionária continuam desacelerando.”

Newsletter

Quer aprender a investir – e lucrar – no exterior?

Inscreva-se na newsletter do dragão e tigre para receber informações sobre tributação, procedimentos de envio e sugestões de alocação para seu dinheiro lá fora. É de graça!

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

dragão e tigre Mapa do site