dragão e tigre

dragão e tigre - Trump sugeriu que a Rússia invadisse os membros inadimplentes da Otan?

A Casa Branca criticou a afirmação de Trump de que ele teria dito aos líderes da Otan que encorajaria a Rússia a invadir os membros que não cumprissem seus compromissos

Bloomberg

(Crédito: Spencer Platt/Getty Images)

Publicidade

A Casa Branca criticou a afirmação de Donald Trump de que ele teria dito, enquanto presidente, aos líderes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) que encorajaria a Rússia a invadir os membros da aliança que não cumprissem os seus compromissos de defesa.

Num comício na Carolina do Sul, no sábado (10), Trump disse que a Otan estava “quebrada” até ele aparecer e forçar os membros a “pagar”. Quando um líder europeu, numa reunião não especificada da Otan, perguntou se os EUA os protegeriam caso ficassem inadimplentes, Trump afirmou que respondeu dizendo que diria à Rússia para fazer “tudo o que quiserem” com aqueles que não cumprissem os seus compromissos.

Muitos países membros não cumprem um compromisso feito em 2014 de investir 2% do PIB em defesa. Durante seu mandato, Trump pressionou repetidamente os Estados-membros para que aumentassem os seus orçamentos de defesa e criticou-os pelo que chamou de aproveitamento do poder militar dos EUA. Ele até questionou por vezes a necessidade de permanecer parte da Otan.

Continua depois da publicidade

A resposta do governo Biden foi rápida. “Encorajar invasões dos nossos aliados mais próximos por regimes assassinos é terrível e desequilibrado – e põe em perigo a segurança nacional americana, a estabilidade global e a nossa economia interna”, disse um porta-voz da Casa Branca, Andrew Bates, num comunicado. “Graças à liderança experiente do Presidente Biden, a Otan é agora a maior e mais vital que já tenha sido”

Há preocupação entre membros da Otan, especialmente na Europa, de que Trump possa voltar à Casa Branca. Ele está rapidamente se aproximando da indicação republicana após vitórias em Iowa, New Hampshire e no “caucus” de Nevada.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse numa publicação no X, antigo Twitter, que “declarações imprudentes” sobre a segurança e a solidariedade da Otan servem apenas os interesses do presidente russo, Vladimir Putin.

O Comissário Europeu Thierry Breton disse ao canal de televisão LCI que a Europa ainda seria capaz de lidar com os EUA se Trump fosse eleito, mas que a democracia dos EUA estava “doente”. “Nós, na Europa, não podemos jogar cara ou coroa a cada quatro anos, dependendo do resultado desta ou daquela eleição”, acrescentou.

Trump já demonstrou que “valoriza mais estar próximo de Putin do que de parceiros democráticos transatlânticos e, portanto, está preparado para desconsiderar obrigações internacionais”, disse Omid Nouripour, co-líder do partido Verde da Alemanha e parte da coligação que governa o país.

Trump disse no sábado que a guerra da Rússia na Ucrânia deve terminar e reiterou a sua discordância pelo envio de mais ajuda a Kiev, enquanto o Senado dos EUA procura aprovar pacote para fornecer financiamento de emergência para a Ucrânia e Israel.

“Precisamos resolver essa guerra e eu resolverei isso”, disse Trump no comício.

Ele chamou o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, de “o maior vendedor da história” e sugeriu que os EUA poderiam perder “centenas de bilhões de dólares” se a Ucrânia fizesse um acordo com a Rússia – que invadiu o país há dois anos – e “de repente eles não quisessem mais negociar conosco.”

A possível volta de Trump à Casa Branca é cada vez mais um fator na luta da Ucrânia para recuperar o território ocupado pela Rússia depois de uma contraofensiva ter falhado, de Zelenskiy ter se desentendido com o seu principal comandante militar e de a ajuda militar dos EUA ter ficado parada no Congresso. Zelenskiy disse este mês querer “acreditar e esperar” que as mudanças políticas nos EUA não significariam o fim da ajuda à Ucrânia.

© 2024 Bloomberg L.P.

dragão e tigre Mapa do site