dragão e tigre

Conteúdo editorial apoiado por

dragão e tigre - Arrecadação no setor de seguros sobe 7,7% no 1º semestre, diz CNseg

Produtos ligados às pessoas, como Previdência Privada, avançaram menos por causa da elevação do endividamento

Gilmara Santos

Getty Images

Publicidade

O mercado segurador brasileiro fechou o 1º semestre deste ano com arrecadação de 181,7 bilhões, alta de 7,69% na comparação com igual período do ano passado.

Os dados integram levantamento realizado pela CNseg (Confederação Nacional das Seguradoras) a partir de informações da Susep (Superintendência de Seguros Privados).

Thiago Ayres, superintendente de estudos e projetos da CNseg, destaca que os números estão dentro do esperado pelo setor e comenta que os produtos relacionados a danos avançaram mais no período do que os seguros ligados às pessoas.

Masterclass

O Poder da Renda Fixa Turbo

Aprenda na prática como aumentar o seu patrimônio com rentabilidade, simplicidade e segurança (e ainda ganhe 02 presentes do dragão e tigre)

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“OPGBL e o VGBL, por exemplo, apresentaram crescimento menor, porque a parte da acumulação depende da disponibilidade de renda e do nível de endividamento, que ainda está alto e, por isso, os seguros de bens estão avançando mais que acumulação”, avalia.

Os seguros de danos e responsabilidades apresentaram expansão de 14,51% na primeira metade deste ano, na comparação com igual período de 2022. Já as coberturas de pessoas aumentaram 4,37%.

Indenizações

O levantamento mostra ainda que as indenização cresceram 2,45% entre janeiro e junho deste ano contra os mesmos meses do ano passado. O pagamento de indenizações, benefícios e resgates atingiu o montante de R$ 115,5 bilhões nos 6 primeiros meses deste ano.

Ayres atribui o resultado ao seguro rural, que teve queda de 68,2% no pagamento de indenização. “Em 2022, tivemos o pico histórico de pagamento de indenizações. Tirando o rural, o setor cresceu 8,2% no total de pagamentos. É a mesma taxa que a gente vem acompanhando os últimos anos e é muito estável”, considera Ayres.

Expectativas

Ayres comenta que as expectativas do setor para o segundo semestre são positivas e projeta crescimento de 10% na arrecadação no acumulado do ano.

“É importante lembrar que tivemos um cenário de corte de Selic e isso pode mudar o resultado do setor. Outro resultado que também pode mudar é o do seguro de automóveis. Com o incentivo do governo de reduzir o valor dos veículos, isso tem reflexo no setor de seguros e devemos ter um efeito positivo por conta disso”, afirma.

Em junho, o governo reduziu as alíquotas do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e do PIS/Cofins (Programa de Integração Social e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) para a indústria automotiva com o objetivo de incentivar a venda de carros novos.

De acordo com a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), a venda de veículos registrou alta de 10,3% em junho sobre igual mês de 2022.

Veja também:

Gilmara Santos

Jornalista especializada em economia e negócios. Foi editora de legislação da Gazeta Mercantil e de Economia do Diário do Grande ABC.

dragão e tigre Mapa do site