dragão e tigre

Conteúdo editorial apoiado por

dragão e tigre - Wall Street tem sessão de forte queda com primeiro corte de rating dos EUA desde 2011

Apesar da reação imediata com queda no mercado, analistas não veem grandes mudanças no cenário para os ativos de risco

Equipe dragão e tigre

(Getty Images)

Publicidade

Os principais índices de Wall Street registraram baixa expressiva nesta quarta-feira (2) após a decisão surpresa da agência de classificação de risco Fitch de rebaixar a recomendação de crédito do governo dos Estados Unidos, afetando o apetite por ativos de risco.

O Dow Jones fechou em queda de 0,98%, o S&P500 teve baixa de 1,38% e o Nasdaq teve desvalorização de 2,17%, com o último índice no pior dia desde fevereiro muito impactado pela alta do rendimento dos Treasuries com o cenário de maior aversão ao risco.

O rebaixamento da classificação de crédito soberano dos Estados Unidos pela Fitch também derrubou outros índices nos mercados acionários globais, interrompendo uma alta constante e provocando volatilidade. Os europeus DAX, FTSE e CAC tiveram perdas entre 1,2% e 1,4% na sessão.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A decisão da agência de classificação de risco surpreendeu e também gerou críticas de diversos economistas.

Segundo a Fitch, o rebaixamento se deu com base na deterioração da posição fiscal, percepção de piora da governança e aumento da ocorrência de disputas de limite de dívida.

A Moody’s é agora a única agência remanescente entre as três principais mantendo o status AAA para os EUA, já que a S&P a removeu em 2011, também em meio ao debate sobre o teto da dívida.

“De fato, os acordos de última hora para suspender ou aumentar os tetos da dívida certamente não são construtivos, especialmente considerando que a regra do limite da dívida é instrumentalizada por políticos nas negociações orçamentárias, enquanto a trajetória do nível da dívida é meramente o resultado de decisões já passadas – e, portanto, acordadas -legislação. No entanto, a implicação imediata do investimento é limitada. As notas do Tesouro dos EUA continuam sendo um dos ativos mais líquidos e seguros, pelo menos em termos de risco de contraparte”, avalia a Julius Baer.

Nessa linha, o consenso geral entre estrategistas e gestores de fundos é  de que o corte no rating (apesar da reação forte na sessão) deve ter um impacto limitado nas ações, com a Wells Fargo & Co. dizendo que qualquer retração será “curta e superficial” e a Liberum Capital descrevendo a notícia como uma “tempestade em uma bule de chá”.

Para alguns, é uma boa desculpa para embolsar alguns lucros após um salto de 19% este ano no S&P 500 até a sessão da véspera. Em Nova York, o índice não tinha um dia de queda de ao menos 1% em 47 sessões consecutivas, a mais longa sequência de dias calmos desde janeiro de 2020.

Aqui está o que analistas e estrategistas têm a dizer, segundo compilação feita pela Bloomberg:

Alexandre Baradez, analista-chefe de mercado do IG em Paris

“Pode-se ter a sensação de que o mercado está procurando desculpas para realizar alguns lucros. Mas, em vez do rebaixamento da Fitch, suspeito que o que está sendo precificado atualmente seja o risco crescente de uma desaceleração econômica. A tendência de queda começou a surgir ontem com base em dados decepcionantes da China e dos EUA, o que sugere que não se trata realmente do rebaixamento do rating, mas sim do risco de uma desaceleração.”

Chris Harvey, chefe de estratégia de ações da Wells Fargo & Co.

“O rebaixamento da Fitch não deve ter um impacto semelhante ao rebaixamento feito pela S&P em 2011, dados os ambientes macro totalmente diferentes, entre outros motivos. Indo para o rebaixamento da S&P em agosto de 2011, os mercados estavam em modo de ‘diminuir risco’, com ações em correção, spreads de crédito aumentando significativamente, taxas caindo e a Grande Crise Financeira [de 2008] ainda estava na consciência coletiva do mercado. Hoje, temos quase o oposto: os spreads de crédito atingiram uma mínima de 112 pontos-base no acumulado do ano no final do mês, o SPX teve retorno de 20% no acumulado do ano e muitos investidores esperam que o Fed reduza as taxas no início de 2024. Como resultado, acreditamos que qualquer retração do mercado de ações seria relativamente curta e superficial.”

Manish Kabra, chefe de estratégia de ações dos EUA no Societe Generale SA:

“O mercado vai olhar inicialmente para o que aconteceu em 2011, quando tivemos uma reação instintiva e de grande risco. Mas o que é diferente desta vez é a perspectiva de crescimento, que é muito maior do que em 2011, então espero que qualquer reação para embolsar lucro seja de curta duração”.

Mark Dowding, diretor de investimentos da RBC BlueBay Asset Management LLP

“No geral, não vemos o rebaixamento da Fitch para os EUA como particularmente significativo. No entanto, serve como um lembrete de que haverá uma forte emissão contínua de Treasuries em prospectiva e isso é algo que pode pesar nos mercados globais se levar a uma inclinação da curva de rendimentos e um aumento na taxa de desconto de fluxos de caixa por mais tempo. Também observaria que, nas últimas semanas, os investidores compraram o tema do ‘goldilocks’ na economia dos EUA, fazendo com que os mais pessimistas capitulassem. No entanto, por mais que o mercado comece a precificar o movimento, ele se tornará intrinsecamente mais vulnerável a uma correção.”

Raphael Thuin, chefe de estratégias de mercado de capitais da Tikehau Capital

“A reação dos preços de mercado de hoje mostra como os mercados estão ficando desconfortáveis ​​com a sustentabilidade de longo prazo do aumento da dívida do governo. Não há absolutamente nada de novo no que a Fitch tinha a dizer, mas aponta a questão da alavancagem excessiva em um mundo de menor crescimento econômico e maiores rendimentos. No médio prazo, entraremos em um ciclo de desalavancagem e isso adicionará progressivamente algum risco ao mercado”.

Richard Saldanha, gestor global de fundos de ações da Aviva Investors

“Embora o rebaixamento da Fitch seja notável, não achamos que isso terá um impacto significativo do ponto de vista do investimento – os investidores estão muito mais focados agora na inflação (onde estamos vendo uma flexibilização gradual com base em dados recentes), bem como sinais confirmatórios do Fed de que agora estamos perto do pico do ciclo de alta. Com sinais de que podemos estar nos aproximando de um cenário de pouso suave, em vez de uma recessão total, bem como de uma temporada de resultados bastante otimista até agora, acreditamos que há razões para acreditar que os mercados podem sustentar seus ganhos recentes”.

Joachim Klement, chefe de estratégia, contabilidade e sustentabilidade da Liberum Capital

“Achamos que o rebaixamento da classificação de crédito dos EUA não terá um impacto material nos mercados de ações, treasuries ou o dólar americano. Embora o rebaixamento tenha ocorrido em um momento surpreendente, não é injustificado, dado o grande déficit do governo dos EUA e a falta de redução projetada do déficit nos próximos três a cinco anos. Mas não há razão para vender títulos do Tesouro dos EUA ou exigir um prêmio de risco maior, em nossa opinião, uma vez que não há alternativa aos títulos do Tesouro nos mercados de títulos globais, nem há qualquer risco de inadimplência material na próxima década, em nossa opinião. Tudo isso é uma tempestade em um bule de chá.”

Alec Phillips, economista do Goldman Sachs

“O rebaixamento reflete principalmente os desafios fiscais e de governança de médio prazo, mas não reflete novas informações fiscais. O rebaixamento deve ter pouco impacto direto nos mercados financeiros, pois é improvável que existam grandes detentores de títulos do Tesouro que seriam forçados a vender com base na mudança de classificação”.

Alvin Tan, chefe de estratégia FX da Ásia na RBC Capital Markets

“Os títulos do Tesouro dos EUA são o maior e mais líquido mercado de títulos soberanos do mundo. É impensável que grandes investidores em títulos globais decidam excluir totalmente os títulos do Tesouro dos EUA de suas participações. Se o fizerem, quais títulos denominados em dólares eles manterão? Alguns investidores podem ter que diminuir posição, especialmente os fundos não domiciliados nos EUA. Mas eu não ficaria surpreso se muitos deles decidissem que também precisariam mudar seus mandatos para continuar segurando títulos do Tesouro dos EUA”.

Carol Kong, estrategista de câmbio do Commonwealth Bank of Australia

“O dólar pode cair ainda mais nas próximas sessões se os mercados considerarem que o corte no rating prejudicará o status de moeda de reserva do dólar e os mercados venderão suas participações em títulos do Tesouro dos EUA. Mas não espero que o dólar sofra perdas. As classificações de crédito normalmente não são um importante impulsionador de moedas de médio prazo”.

Andrew Ticehurst, estrategista de taxas da Nomura

“O dólar pode ter desempenho inferior a alguns dos principais, como euro e iene. As moedas de beta mais alto em toda a Ásia devem se sair pior, é claro, se essas notícias levarem a uma ampla ação de preço de risco. Ironicamente, se esta manchete causar alguma ação de aversão de risco em todas as classes de ativos, o dinheiro provavelmente fluirá para ativos defensivos, e isso inclui títulos do Tesouro dos EUA altamente líquidos.”

(com Reuters e Bloomberg)

dragão e tigre Mapa do site