dragão e tigre

dragão e tigre - importante passo para privatização é dado e ações têm nova alta; o que monitorar agora?

Cidade de São Paulo aderiu a esquema que pode acelerar privatização da Sabesp; expectativa já tinha feito ações subirem forte na véspera

Lara Rizério

Publicidade

Instagram dragão e tigre

Um importante passo para a privatização da Sabesp (SBSP3) foi dado na última quarta-feira.

Após a publicação das novas regras de votação para as Unidades Regionais de Saneamento Básico (Uraes), o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, anunciou a adesão da cidade de São Paulo ao grupo.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“O Estado de São Paulo e o Município de São Paulo reafirmaram o compromisso de manutenção dos investimentos, atingimento das metas e repasse para o Fundo Municipal, nos termos contratuais atualmente vigentes, bem como concordaram em buscar soluções colaborativas e construtivas relacionadas ao Contrato de Prestação de Serviços Públicos de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário, firmado em 23 de junho de 2010”, afirmou a Sabesp em fato relevante ao mercado.

Conforme destacam os analistas, o desenvolvimento político é uma notícia muito positiva para o caso de privatização da Sabesp. Isso porque, dada a relevância de sua concessão, a participação da cidade de São Paulo é fundamental para o sucesso da operação.

Na última quarta, o governo do Estado de São Paulo publicou um decreto com novas regras de votação para as unidades regionais de serviços de água e esgoto, ou as chamadas Uraes. Houve mudanças no sistema de governança sobre os serviços de saneamento no âmbito do marco do saneamento, concedendo mais peso de representação às regiões metropolitanas.

Continua depois da publicidade

A nova divisão de votos concederá 6% dos votos para entidades civis e os 94% restantes para o Estado de São Paulo e os Municípios que aderirem às URAEs. A divisão dos votos levará em conta a população de cada município. No caso de municípios de uma região metropolitana, 50% dos votos serão destinados ao Estado de São Paulo e o restante aos municípios.

De acordo com essas novas regras, a cidade de São Paulo teria uma parcela relevante dos votos (nos cálculos da XP, 18%) e o estado de São Paulo (40% de participação) teria o controle da Uraes. Assim, Nunes anunciou a adesão ao grupo.

“Com esse anúncio, o município mais relevante nas concessões da Sabesp demonstra apoio à privatização da empresa”, avalia a XP.

Na véspera, antes do anúncio do município de São Paulo, o Itaú BBA havia destacado que a possibilidade de adesão às Uraes facilitaria a negociação dois termos de negociação entre Estado e municípios.

Após o anúncio, o Itaú BBA reforçou a visão. “Vemos a notícia como muito positiva para a Sabesp porque facilita as negociações em seu processo de privatização. Acreditamos que esse desenvolvimento melhora substancialmente as chances de privatização da empresa”, avalia.

Na véspera, apenas com a expectativa, as ações de Sabesp chegaram a tocar mais de 7% de valorização, figurando entre as maiores altas do Ibovespa e fechando com ganhos de 5,5%. Já nesta quinta-feira (17), os ativos subiram 1,30%, a R$ 58,55, cabendo ressaltar que em um dia novamente de queda para o Ibovespa.

Para o banco, se a cidade e estado de São Paulo concordarem com os termos da privatização, eles teriam poder suficiente para aprová-los sem a necessidade de muito apoio de outros municípios.

O JPMorgan reforça a visão, apontando que a cidade de São Paulo é a maior concessão da Sabesp, responsável por cerca de 55% do faturamento.

Assim, a adesão de São Paulo às Uraes significa que 1) ter a maior cidade do Estado incentiva outras cidades a aderirem ao bloco; 2) as decisões sobre alterações de contratos serão tomadas em massa, não contrato por contrato, facilitando o processo de privatização; 3) o governo do Estado também ganha mais peso na discussão da Sabesp por ter mais poder de voto nas decisões.

“Dito isso, a adesão da cidade de São Paulo à privatização é fundamental para o processo. Além disso, o fato de a ARSESP [ Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de São Paulo] estar sob o PPI facilita a discussão sobre a possível nova regulamentação da Sabesp. Ou seja, tudo isso foi um marco importante no complexo processo de privatizações, mas não o último”, avalia.

O que monitorar

Neste sentido, os analistas monitoram os próximos passos para a privatização da estatal paulista de saneamento.

O JPMorgan destaca manter um valor justo de R$ 100 por ação num cenário de Sabesp privatizada, de 1,1 vez o EV/RAB (EV = enterprise value, ou valor de mercado + dívida líquida”; RAB = base de ativos regulatórios), mas mantém a visão de que este é um evento altamente binário e o caminho para a privatização (se acontecer) ainda pode ser turbulento nos próximos meses.

“Além disso, sinalizamos que o valor justo da empresa privatizada, e por consequência o upside para os acionistas depende muito da modelagem do processo (por exemplo, alteração de contratos, tarifas, pagamento de outorgas de bônus), que não foi definido ainda”, aponta.

O Itaú BBA aponta que, enquanto continua vendo o timing como o maior risco para o processo, o desdobramento de ontem abre caminho para que a privatização ocorra ainda no primeiro semestre de 2024, antes das eleições municipais no final do ano.

Ao olhar para frente, o banco ressalta que a IFC, agência do Banco Mundial, realiza os estudos sobre a privatização da Sabesp, conduzindo a “fase um”. Esta fase, que visa contemplar a elaboração dos estudos econômico-financeiros – valuation, valor do bônus de concessão e novo modelo regulatório – deverá estar concluída até janeiro de 2024.

Paralelamente, prevê-se o envio do projeto de lei das privatizações ao Assembleia Legislativa até o final de 2023, para que possa ser discutido e permitir que a privatização seja realizada no ano que vem.

A XP aponta que o caminho para a privatização ainda é longo. Questões como o modelo regulatório, as eventuais cobranças pela prorrogação das concessões e o modelo de governança da Sabesp privada, entre outras, precisam ser definidas.

A XP tem recomendação neutra para os ativos, enquanto JPMorgan e Itaú BBA tem recomendação equivalente à compra.

Lara Rizério

Editora de mercados do dragão e tigre, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.

dragão e tigre Mapa do site