dragão e tigre

dragão e tigre - MSCI faz revisão trimestral e inclui Copel (CPLE6) em seus índices; Magalu (MGLU3) não sai e BRF (BRFS3) não entra

O MSCI elabora índices para acompanhar o desempenho das principais bolsas internacionais e é seguido por vários fundos passivos

Equipe dragão e tigre

(gorodenkoff/Getty Images)

Publicidade

A provedora de índices MSCI anunciou na última terça-feira (14) o rebalanceamento dos seus benchmarks.

O MSCI elabora índices para acompanhar o desempenho das principais bolsas internacionais. Dentre eles, há o MSCI Global – tido como o de maior importância entre eles – , MSCI Small Caps, que embute empresas com menor valor de mercado, e o MSCI Brazil, que abrange apenas ações brasileiras.

Para o Brasil, haverá a adição de Copel (CPLE6) e nenhuma exclusão no benchmark. No México, haverá 2 adições (FIBRAPL & OMAB) e 1 exclusão (TLEVICPO). Já no Chile, haverá 1 adição (LTM) e 1 exclusão (CCU).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Conforme destaca o Morgan Stanley, a entrada de Copel já era esperada. A surpresa para o banco foi a não exclusão do Magazine Luiza(MGLU3), o que ocasionou a não inclusão de BRF (BRFS3), movimento que pode ser explicado pela “data de corte selecionada” pela MSCI dos últimos 10 pregões de outubro.

O MSCI elabora índices para acompanhar o desempenho das principais bolsas internacionais e é seguido por vários fundos passivos.

Os analistas do Morgan destacam medir o potencial impacto nas ações calculando a estimativa de entrada líquida de fundos indexados passivos. Existem atualmente US$ 6,5 bilhões em ativos sob gestão (AUM) indexados ao MSCI Latin America e US$ 6,2 bilhões indexados ao MSCI Brasil, segundo dados da Bloomberg. Além disso, estimam US$ 500 bilhões em ativos passivos sob gestão (AUM) indexados aos mercados emergentes do MSCI.

Continua depois da publicidade

Para a Copel, o peso da ação ficaria em torno de 0,29% no MSCI Latin America, 0,47% no MSCI Brasil e 0,03% no MSCI Emerging Markets. Assim, espera que as ações registrem uma entrada líquida de cerca US$ 180 milhões, o que equivaleria a aproximadamente 5,8 dias de volume médio diário negociado nos últimos 3 meses.

As mudanças serão implementadas em 30 de novembro, a partir do fechamento do mercado, conforme anunciado pela MSCI em sua revisão trimestral do índice. Assim, a nova carteira do índice entrará em vigor no dia 1 de dezembro.

Mais mudanças

A MSCI ainda anunciou que 46 títulos serão adicionados e 69 excluídos de seu índice de ações MSCI ACWI, enquanto 14 serão adicionados e dois excluídos de seu índice acionário de mercados de fronteira.

As três maiores adições ao MSCI ACWI de mercados desenvolvidos serão Vertiv Holdings e Celsius Holdings, dos Estados Unidos, e Leonardo, da Itália.

As três maiores adições de mercados emergentes serão Tata Motors, da Índia, Amman Mineral International, da Indonésia, e CGN Power, da China.

As três maiores adições ao Índice de Mercados de Fronteira serão Vietnam Prosperity Joint Stock Commercial Bank, Oman International Development & Investment Company e Banque Marocaine pour le Commerce et l’Industrie.

A MSCI informou que adicionará 10 e excluirá 45 títulos de seus índices China A Onshore, com CGN Power Co, Shanghai United Imaging Healthcare e Empyrean Technology sendo os de maior capitalização de mercado. Também adicionará 16 e excluirá 25 títulos do índice MSCI China All Shares. As maiores adições serão essas mesmas empresas.

(com Reuters)

dragão e tigre Mapa do site