dragão e tigre

dragão e tigre - JBS (JBSS3), Marfrig (MRFG3) e BRF (BRFS3) têm resultados ainda pressionados, mas mostrando melhora; veja destaques

Ciclo de gados nos EUA e excesso de oferta de proteínas no mercado global continuam sendo desafios para as empresas

Vitor Azevedo

Publicidade

Os frigoríficos brasileiros JBS (JBSS3), Marfrig (MRFG3) e BRF (BRFS3) divulgaram, todos, resultados na noite dessa segunda-feira (13). E os números para analistas, surpreenderam de maneira positiva – apesar das dificuldades ainda enfrentadas.

Por volta das 12h30 (horário de Brasília) desta terça-feira (14), as ações ordinárias da JBS estavam estáveis, a R$ 20,97, as da Marfrig subiam 3,97%, a R$ 7,86, e as da BRF, 2,52%, a R$ 12,62.

JBS e Marfrig continuam sofrendo por conta das suas maiores exposições ao mercado norte-americano. Nos Estados Unidos, o ciclo do gado se encontra em um momento de queda do número de cabeças disponíveis, o que aumenta os gastos dos frigoríficos, que desembolsam mais comprando animais. Porém, é possível que o ponto de inflexão já tenha passado.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Nenhuma grande novidade na carne bovina dos EUA, ainda refletindo o difícil momento do ciclo pecuário e a queda nos preços de corte. No entanto, saudamos a recuperação da margem da empresa após problemas operacionais relatados no primeiro trimestre”, fala a equipe da XP Investimentos, liderada por Leonardo Alencar, sobre a JBS.

“A Marfrig divulgou resultados em linha com o esperado, sendo que as operações nos Estados Unidos conseguiram manter o ritmo de abate com uma margem premium, apesar das difíceis condições do mercado”, expõe o time do Santander, encabeçada por Rodrigo Almeida.

Pior parte do impacto negativo nos EUA já passou para JBS e Marfrig?

Os analistas do Itaú BBA, liderados por Gustavo Troyano, vão na mesma linha.

Continua depois da publicidade

“Iniciativas na carne bovina dos EUA impulsionaram melhorias sequenciais e igualaram a rentabilidade de suas operações às de seus pares mais uma vez. Vemos isso como uma redução de riscos, já que ainda havia algumas questões sobre o momento dessas operações”, dizem, sobre a JBS.

“Na América do Norte, a margem de Ebitda [Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês] ficou em 4,4%, apenas 10 pontos base abaixo da nossa expectativa. O segmento continua sofrendo com a dinâmica do ciclo de baixa do gado, relatando uma contração da margem de 80 pontos base no período devido ao aumento dos custos do gado”, expõem, sobre a Marfrig.

AJBS viu sua receita líquida consolidada recuar 7,6% no ano, para R$ 91,4 bilhões. O seu braço nos EUA, a Beef North America, voltou, contudo, a ter a maior participação na receita líquida de julho a setembro, em primeiro lugar, com R$ 29 bilhões em faturamento, após a Pilgrim’s Pride (PPC) passar à frente.

No ranking dos Ebitdas ajustados, a Pilgrim’s Pride liderou, com R$ 2,195 bilhões, 25,7% menos na comparação anual. Depois ficaram JBS USA Pork (R$ 1,021 bilhão, alta de 2,2%), JBS Australia (R$ 664,6 milhões, aumento de 34,7%), Seara (R$ 566,4 milhões, queda de 68,2%), JBS Beef North America (R$ 502,7 milhões, baixa de 80,1%) e JBS Brasil (R$ 484,4 milhões, redução de 41,3%).

A JBS Brasil registrou redução na receita com exportações, de 10%, mas a receita com as vendas de carne bovina no mercado interno subiu 3%, impulsionada por crescimento da oferta e diminuição de preços.

“A Pilgrim’s Pride e a divisão de suínos dos EUA foram as divisões de melhor desempenho da JBS. A redução dos custos de grãos, combinada com a forte demanda e sazonalidade positiva, levou a uma melhoria de 86% no EBITDA das divisões combinadas”, explica o Santander.

O lucro líquido da companhia ficou em R$ 572,7 milhões, com queda de 85,7% no ano.

Marfrig traz maior foco no mercado interno

Na Marfrig, a bottom line do balanço trouxe um número negativo em R$ 112 milhões, revertendo lucro de R$ 431 milhões um ano antes. Em parte, a piora acompanhou a queda de 2,1% da receita na base anual, que foi para R$ 35,6 bilhões.

Os efeitos da oferta reduzida de gado nos Estados Unidos pesaram no número consolidado. O Ebitda da operação americana caiu 55,7% no terceiro trimestre, para R$ 150 milhões. A margem de dois dígitos do terceiro trimestre (11,9%) do ano passado recuou para 4,4%.

O time do Santander menciona que, por lá, a companhia trouxe um recuo de 5% dos custos do preço por cabeça – que foi, do outro lado, ofuscado pelos menores preços cobrados. a maior oferta também faz os frigoríficos entrarem em uma competição pelo consumidor.

A empresa teve um resultado um pouco melhor do que o esperado na América do Sul, aproveitando do bom momento do ciclo do gado no Brasil. No entanto, a Marfrig teve suas margens levemente por ter mudado seu foco para o mercado local – por conta da maior oferta no mercado internacional e aproveitando um pico da demanda no Brasil.

“A divisão da América do Sul relatou uma desaceleração de 7% na receita trimestral, apesar do forte crescimento de volume de 25%. Segundo a Marfrig, a demanda no mercado internacional tem sido forte, mas o excesso global de proteína limitou os preços de exportação mais uma vez”, diz o Santander.

“Destacamos a diminuição da contribuição da China no mix de exportações da Marfrig, à medida que outros destinos começaram a se tornar incrementais, diversificando a exposição do segmento a importadores únicos. A receita totalizou R$ 5,4 bilhões, enquanto a maior disponibilidade de gado impulsionou o Ebitda para R$ 626 milhões no trimestre, com uma margem de 11,6%”, fala.

A XP, porém, chamou o resultado do segmento da América do Sul  de “surpreendente”.

As casas também mencionaram que a BRF, atualmente maior acionista da Marfrig, também trouxe um resultado positivo.

“Como destaque, a BRF relatou um FCFE próximo do ponto de equilíbrio, levando-nos a acreditar que a Marfrig seria responsável pela maior parte da redução da dívida líquida no trimestre”, diz o BBA. “O encerramento da venda de 16 fábricas da Marfrig para a Minerva deverá ser fundamental para manter a alavancagem em níveis razoáveis, embora longe de confortáveis, além da melhoria do dinamismo dos lucros da BRF”, expôs a XP.

BRF traz resultado em linha, em meio a turnaround

Das três empresas, a BRF é a que se encontra, provavelmente, com uma situação mais delicada, tentando consolidar seus negócios e passar a gerar caixa – mas há sinais positivos.

Areceita da dona da Sadia e Perdigão caiu 1,8% no ano, para R$ 13,8 bilhões, e o Ebitda, 13%, para R$ 1,2 bilhão. O prejuízo líquido ficou em R$ 262 milhões, alta de 91% no ano.

“A BRF reportou um trimestre sólido. com um balanço mais leve em função do follow on, levando a um fluxo livre de caixa acima de nossas estimativas – com consumo de R$ 21 milhões, significativamente inferior à nossa previsão de consumo de caixa de R$ 1,3 bilhão”, expõe a XP, citando o aporte que a Marfrig fez em parceria com a Salic, fundo de investimento em agropecuária da Arábia Saudita, na BRF.

Do lado operacional, o preço ainda pressionado do frango foi contrabalançado pelos menores gastos com ração.

“As margens expandiram cerca de 50 pontos base trimestralmente para aproximadamente 8,7%, devido aos custos de grãos e ao programa de eficiência, BRF+. Por outro lado, preços mais baixos limitaram a expansão da margem”, expõe o Santander.

Na divisão Brasil, o Ebitda de R$ 778 milhões e a margem de 11,9% vieram em linha com as projeções do BBA.

“Os resultados da BRF na operação brasileira estiveram amplamente em linha com nossas expectativas. Os volumes foram sólidos no trimestre, mas a receita consolidada teve dificuldades devido ao excesso de oferta doméstica que seguiu a proibição japonesa de importações de certos estados brasileiros”, explicam.

Já a divisão internacional, por outro lado, frustrou por conta do excesso de oferta. Os maiores volumes não foram suficientes para segurar a queda de 18.8% do preço médio do quilo de frango no ano e a receita líquida caiu 7,9% na mesma base, para R$ 6,02 bilhões.

“Os preços de exportação caíram trimestralmente, e a dinâmica global de excesso de oferta pesou novamente nos resultados. O Ebitda ajustado, de R$ 251 milhões, ficou 9% abaixo da nossa previsão, implicando uma falha na margem de Ebitda de 90 pontos base, em 4,2%”, expõe o BBA.

dragão e tigre Mapa do site