dragão e tigre

dragão e tigre - Estrangeiros saem em debandada da B3 com aversão ao risco e ‘concorrência’ dos EUA

Para analistas, as justificativas para esse comportamento estão em uma conjunção de fatores internos e externos que vêm influenciando o mercado

Equipe dragão e tigre

Publicidade

Os investidores estrangeiros estão em franca retirada de recursos da B3 em agosto, que pode ser o pior mês de 2023 em termos de fluxo de capital externo, pois a Bolsa brasileira já contabiliza uma saída líquida de R$ 7,378 bilhões até segunda-feira (14). Os números, embora parciais, já anulam todos os ingressos de julho e superam com folga os R$ 4,28 bilhões retirados em maio, até agora o mês de maior saldo negativo no ano.

As justificativas para esse comportamento não estão na má fama do mês de agosto, mas em uma conjunção de fatores internos e externos que vêm influenciando o mercado há mais tempo, segundo analistas consultados pelo Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado). A notícia negativa é que grande parte dos motivos para o movimento vem do cenário internacional.

É impossível analisar as 13 quedas consecutivas do Ibovespa em agosto, que só foram interrompidas na sexta-feira (18), sem mencionar a China, dada a importância das commodities no mercado doméstico – Vale, por exemplo, é a ação com maior peso no índice (participação de 12,314%).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Enquanto havia entusiasmo com a China, o Brasil também andava muito bem. Hoje, o cenário é bastante negativo na segunda maior economia do mundo e os investidores buscam ativos de menor risco”, afirma em uma primeira análise João Piccioni, analista da Empiricus Research.

Para Andre Fernandes, head de renda variável e sócio da A7 Capital, parte da saída dos investidores externos está ligada à percepção de aversão ao risco e de que o Federal Reserve (o Banco Central americano) deve voltar a aumentar os juros nos Estados Unidos, ao passo que o BC brasileiro deverá continuar o ciclo de queda da Selic, iniciado no começo do mês.

“O estrangeiro quando entra no Brasil, o atrativo é o carry-trade. Ele consegue se beneficiar muito desse diferencial de juros entre Brasil e EUA. Quando cai esse diferencial, o estrangeiro começa a tentar tirar um pouco o pé do país emergente e fugir para a segurança”, diz Fernandes.

Continua depois da publicidade

Para Marcelo Boragini, sócio e especialista em renda variável da Davos Investimentos, a saída dos investidores estrangeiros acende um sinal amarelo, mas ainda não é assustadora, pois o spread no carry-trade continua “ok”.

Contudo, “o investidor estrangeiro tem sido o grande diferencial para a nossa Bolsa, porque o Brasil tem registrado resgate de fundos de investimentos e multimercado em todos os meses do ano. Só em julho é que os fundos de investimento registraram saldo positivo”, avalia Flávio Conde, analista da Levante Investimentos.

A indústria de fundos de investimento acumula perdas de R$ 124,9 bilhões e a de fundos multimercado somam resgate de R$ 61,1 bilhões em 2023, com dados até julho da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

Para Piccioni, da Empiricus, há ainda um fator técnico contribuindo para o escoamento do capital externo na Bolsa brasileira: o aumento das emissões de títulos por parte do Tesouro dos Estados Unidos. Para ajudar a fechar as contas nos EUA, o Tesouro anunciou no dia 2 a ampliação da emissão de dívida para arrecadar fundos de investidores privados. A nova emissão representa um aumento de US$ 7 bilhões, em comparação ao total de emissão de US$ 96 bilhões dos mesmos títulos anunciados em maio.

O anúncio ocorreu um dia depois de a agência de classificação de risco Fitch ter anunciado o rebaixamento da classificação de crédito do governo americano, justificando a expectativa de deterioração fiscal à frente. Nesse ambiente, o investidor também passou a exigir maior remuneração para carregar os papéis.

“Os leilões do Tesouro americano acabam sugando a liquidez no mundo todo, e o Brasil não está blindado contra essa busca por segurança. Esse movimento de migração está acontecendo até mesmo nas bolsas americanas”, afirma o analista da Empiricus.

Para se ter uma ideia, na manhã da quarta-feira, 16, o cupom cambial – indicador que mostra a remuneração em dólares de investimentos feitos no Brasil – apontava um rendimento de aproximadamente 5,2% ao ano para aplicações com duração de um mês no País. A taxa é menor que os juros oferecidos por títulos do Tesouro dos Estados Unidos com a mesma duração – de 5,53% ao ano, segundo dados divulgados pelo governo americano.

Conde, da Levante, diz ainda que o investidor estrangeiro conseguiu prever em junho e julho alguns fatores que contribuem para a tese brasileira: o Banco Central esperou a inflação baixar para começar o início de corte da Selic; o arcabouço fiscal foi aprovado no Congresso, e a reforma tributária, na Câmara. “A venda pelos investidores estrangeiros é por pura realização de lucros, por ter conseguido antecipar bem a alta da Bolsa. Não tem nada a ver com deixar de acreditar no arcabouço fiscal ou na reforma tributária por aqui”, afirma.

(Com Estadão Conteúdo)

Tópicos relacionados

dragão e tigre Mapa do site