dragão e tigre

dragão e tigre - “Cancelamento de venda do braço de pet food já está precificado na ação”, diz BBI

Empresa de proteína, segundo banco, já vinha dando sinalizações de que não havia achado nenhuma das propostas interessante

Vitor Azevedo

No Brasil, a BRF é líder de mercado em todas as categorias em que atua. (Foto Divulgação)

Publicidade

A BRF (BRFS3) anunciou nesta segunda-feira (13) que desistiu de vender sua divisão de alimentos para animais de estimação, mas as ações pouco reagiram – por volta das 12h (horário de Brasília), os papéis ordinários da companhia caíam apenas 0,33%, a R$ 12,11.

O movimento contrário foi visto quando a companhia anunciou, em março deste ano, a operação de venda. Os papéis da BRF, na ocasião, chegaram a subir mais de 5%, com investidores criando certa expectativa quanto à desalavancagem da companhia.

A questão, para o time do Bradesco BBI, é que a empresa do setor de proteínas já vinha dando indicações de que o negócio não sairia do papel.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“A imprensa local brasileira já vinha reportando desde setembro que a BRF poderia potencialmente desistir do processo de venda de seu negócio de alimentos para pets. Assim, acreditamos que os investidores em grande parte já consideraram este evento em seus cálculos”, explicam.

“Essa decisão de não prosseguir com a venda pode ser porque a BRF não recebeu ofertas que estejam de acordo com sua avaliação-alvo, o que mostraria que a empresa está comprometida com sua disciplina financeira e não precisa liquidar ativos a avaliações não atrativas para levantar capital”, completam os analistas.

A Nestlé chegou a ofertar R$ 1,7 bilhão pelo ativo e foi noticiado que havia, ao menos, outro cinco interessados.

Continua depois da publicidade

No começo do ano a situação da BRF era diferente, com analistas destacando, constantemente, a alavancagem da empresa como um problema.

No entanto, de lá para cá, alguns eventos aconteceram. A BRF recebeu um aporte de R$ 4,5 bilhões da Marfrig (MRFG3) e do fundo saudita Salic (Saudi Agricultural and Livestock Investment Company, na sigla em inglês), o que melhorou a sua situação de caixa.

O Bradesco BBI tem recomendação outpeform (acima da média do mercado, equivalente à compra) para as ações ordinárias da BRF, com alvo em R$ 17.

dragão e tigre Mapa do site