Nos últimos anos, os bancos digitais revolucionaram o mercado financeiro, popularizando o acesso a alguns produtos e serviços até pouco tempo disponíveis apenas para uma pequena parcela da população. Entre as muitas novidades que eles oferecem está a conta internacional, que facilita a vida de quem mora no Brasil e precisa realizar transações em moeda estrangeira.

Embora hoje esse tipo de conta já seja mais acessível, ainda há diversas dúvidas sobre como e em que momentos utilizá-la. Afinal, como funciona a conta internacional? Será que qualquer um pode abrir uma? Ela permite qualquer tipo de transação? Para responder a essas e outras perguntas, o dragão e tigre elaborou este guia com tudo o que você precisa saber sobre as contas internacionais. Para conhecer como esse serviço funciona, continue a leitura a seguir.

O que é e para que serve uma conta internacional?

Basicamente, a conta internacional é uma conta digital que permite a movimentação de moeda estrangeira. Ela serve a diferentes finalidades, pois é muito útil para quem deseja investir fora do país ou mesmo para quem viaja ao exterior com certa frequência ou costuma receber algum tipo de pagamento em dólar ou enviar recursos para fora

Em relação aos investimentos, a conta internacional é um excelente meio para a diversificação da carteira, pois permite acesso a uma grande variedade de ativos internacionais. Para se ter uma ideia, NYSEeNasdaq – as bolsas americanas – possuem juntas mais de 6.500 companhias listadas, ao passo que, na Bolsa brasileira, você encontrará menos de 500 empresas no pregão. 

Além de uma diversidade maior de empresas, existem segmentos da economia que já são mais consolidados no exterior, mas ainda incipientes no Brasil, principalmente aqueles ligados à tecnologia. Logo, uma conta internacional também proporciona uma boa diversificação setorial aos ativos.

Mesmo que o objetivo não seja investir, e sim utilizar serviços financeiros no exterior, a conta internacional também atende a esse fim. Imagine que você esteja de férias fora do Brasil, ou precise ficar no exterior por um período mais prolongado, a trabalho ou em um intercâmbio, por exemplo. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesse caso, uma conta internacional lhe permite sacar dinheiro em caixas eletrônicos na moeda local e utilizar um cartão de débito pagando uma alíquota de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) bem menor do que se utilizasse sua conta corrente nacional lá fora. Isso porque, atualmente, quem utiliza cartão de crédito ou débito no exterior paga 5,38% de IOF sobre a operação. E ele também incide sobre a compra de moeda estrangeira e sobre transferências de recursos do Brasil para o exterior. Quando a transferência é para a mesma titularidade, a alíquota é de 1,1% sobre o valor da transação; e para terceiros, a cobrança é de 0,38%.

Por outro lado, nas transações com cartão de uma conta internacional, o IOF é de 1,1%, seja na sua utilização lá fora ou em compras feitas em sites internacionais.

As taxas de uma conta internacional também costumam ser menores. Por isso, especialistas a recomendam para brasileiros que possuem recebimentos e pagamentos regulares em moeda estrangeira, como envio e/ou remessa de dinheiro para familiares ou em função de negócios. Por exemplo, o YouTube e algumas outras plataformas só fazem pagamentos em dólar aos produtores de conteúdo.

Diferenças entre a conta internacional e uma conta corrente comum

O principal diferencial desse tipo de conta é justamente disponibilizar ao usuário a moeda já convertida em dólar a qualquer momento. Ou seja, quando for necessário fazer um saque ou alguma outra transação, não será preciso converter reais em dólares, o que elimina preocupações com a variação cambial e com novos tributos e taxas incidentes sobre o câmbio.

Porém, normalmente as contas internacionais não contam com a facilidade de um limite rotativo, que cubra saldos negativos. Por isso, é preciso que o correntista tenha mais controle sobre essas transações, já que não há um cheque especial para uma eventual utilização.

Além disso, essas contas também não costumam dispor de mecanismos de aplicação imediata, como as contas remuneradas oferecidas por algumas instituições financeiras. Ou seja, ao contrário de algumas contas correntes brasileiras, o dinheiro parado em uma conta internacional não fica rendendo juros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como abrir uma conta internacional?

O processo de abertura de uma conta internacional depende de cada instituição financeira. Normalmente, tudo é feito pelo celular, e o usuário precisa apresentar os documentos comuns de identificação, como RG, CPF, CNH, comprovante de residência, e assim por diante.

Em relação às exigências para a abertura da conta, cada instituição costuma estabelecer suas próprias regras. A seguir, veja como algumas delas oferecem esse produto no Brasil.

Quais instituições no Brasil oferecem a opção de abrir conta internacional?

De forma geral, as contas internacionais oferecidas pelos grandes bancos possuem mais restrições, pois alguns deles costumam disponibilizar esse serviço somente para investidores, residentes no exterior ou pessoas jurídicas.

No caso do Bradesco, só brasileiros que moram temporariamente lá fora e querem fazer transações em moeda estrangeira para o Brasil é que podem abrir esse tipo de conta. Para isso, é preciso comprovar a residência no exterior e, se o cliente voltar ao Brasil, deverá pedir ao banco que a transforme em uma conta corrente nacional.

Já no Itaú, a conta internacional é permitida somente para investidores, que podem investir em dólar ou em outras moedas. Mesmo sendo uma conta de investimento, o banco permite transferências, pagamentos e solicitação de cheques e cartão de débito para saques nos EUA.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

OBanco do Brasil oferece dois tipos de conta internacional para brasileiros não residentes nos EUA.que já sejam clientes do banco, funcionários do conglomerado ou bolsistas CAPES e CNPQ. 

Por sua vez, os bancos digitais costumam ser menos burocráticos e mais velozes no envio e no recebimento de recursos. Além disso, oferecem normalmente taxas mais baixas do que as praticadas pelos grandes bancos. Confira a seguir como funcionam as contas internacionais em alguns deles.

Nomad

Na Nomad, qualquer brasileiro maior de 18 anos, nato ou naturalizado, que tenha um endereço fixo, pode abrir uma conta internacional. Para isso, basta apresentar algum documento pessoal, como CNH, CPF ou passaporte.

A conta internacional da Nomad não possui taxas para abertura, manutenção, inatividade, transferências entre contas Nomad ou emissão do cartão de débito virtual, sendo que esse cartão pode ser cadastrado em carteiras virtuais (como Google Pay, Apple Pay e Samsung Pay), ou utilizado para compras online.

Oferta Exclusiva
CDB 150% do CDI
Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do dragão e tigre

Segundo informações de Eduardo Baer, COO da Nomad, quem mais utiliza hoje a conta global da instituição são clientes que viajam para fora do Brasil. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Nosso cartão internacional é aceito em mais de 180 países e permite o saque em caixas eletrônicos na moeda local, o que dispensa a necessidade de levar dinheiro em espécie nas viagens. Além disso, há muitos clientes da Nomad que utilizam nossa conta para investir nas bolsas americanas, criando um portfólio em moeda forte”, observa Baer.

O diretor de operações também ressalta que a Nomad permite o parcelamento de compras, possibilitando que o gasto feito no cartão internacional seja parcelado em um cartão de crédito brasileiro. “Assim, quando um cliente escolhe parcelar o valor gasto em uma transação, a quantia em dólares volta a ficar disponível no saldo da conta”, explica.

Outro diferencial da conta é a garantia de até US$ 250 mil por parte do FDIC (Federal Deposit Insurance Corporation), instituição norte-americana que opera de forma semelhante ao nosso FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Ou seja, o FDIC protege correntistas para aumentar a segurança e solidez do mercado financeiro dos EUA.

Não existe aporte mínimo para abrir uma conta na Nomad, pois não é necessário fazer a transferência dos recursos para efetivar o processo. Para converter reais para dólares, o valor mínimo é de R$ 500. Já para investir em ações ou ETFs (Exchange Traded Funds) internacionais, é preciso disponibilizar, no mínimo, US$ 1.000.

Todas as operações da conta internacional podem ser feitas pelo aplicativo, sendo que o spread da Nomad é de até 2%. De acordo com o nível do programa de fidelidade Nomad Pass, esse custo pode chegar a 1%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em novembro de 2022, a Nomad adquiriu a startup Husky e, com esse novo braço operacional, passou a oferecer também a conta internacional para pessoas jurídicas.

Nomad compra Husky visando brasileiros que recebem do exterior (coupondealsclub.com)

BS2

O Banco BS2 oferece conta internacional para pessoas físicas e jurídicas que tenham domicílio fiscal no Brasil.

Para pessoas físicas, está disponível o app BS2 GO!, que atende mesmo quem não é correntista do banco. Segundo Marcos Figueiredo, head da Conta Internacional do BS2, o serviço é ideal para viajantes, intercambistas, shoppers, influenciadores e todos aqueles que precisam comprar, vender, pagar ou receber em dólar. 

“Há também isenções de tarifas para quem recebe valores de Adsense, Facebook, YouTube, Instagram, Twitter e Twitch”, complementa Figueiredo.

Da mesma forma, a conta internacional PJ pode ser utilizada para pagamentos, recebimentos e demais transações entre empresas em moeda estrangeira. 

Ambas as modalidades são isentas de tarifas de abertura, manutenção e transferências entre contas internacionais do BS2. Além disso, oferecem conversão instantânea de moedas a qualquer horário do dia e saques em ATMs vinculados à rede Cirrus.

No BS2 GO!, o câmbio é feito em tempo real e direto pelo próprio aplicativo. A conta internacional PF também disponibiliza o cartão de débito Mastercard Platinum, nas versões física e digital, para compras em estabelecimentos físicos e online. 

Já para a conta internacional PJ, as transações financeiras acontecem via internet banking, e os clientes têm acesso a um cartão de débito (somente digital) Mastercard Black. Esse cartão pode ser utilizado em compras, assinaturas internacionais e serviços como Boingo Wi-Fi (acesso gratuito e ilimitado por meio de mais de um milhão de hotspotsem todo o mundo), cashback em hotéis e restaurantes nos EUA, seguros para veículos alugados, entre outros.

Tanto para o BS2 GO! quanto para a conta PJ, é necessário movimentar US$ 30 para emitir a primeira via do cartão de débito, valor esse que fica disponível para utilização na conta. Além disso, o cliente pode usufruir de todos os benefícios dos cartões Mastercard, como seguro-viagem ou assistência emergencial no exterior, por exemplo.

Não há aporte mínimo para abrir uma conta internacional no BS2, sendo que a conversão mínima exigida é de US$ 10.

Outros bancos digitais que oferecem conta internacional

Os bancos digitais C6 Bank,Avenue,Banco IntereWise também estão entre os mais utilizados para abrir uma conta internacional. A exemplo das duas instituições acima, esses bancos também oferecem cartão de débito, fechamento de câmbio ágil e simplificado e tarifas reduzidas em comparação aos bancos tradicionais.

Embora cada instituição tenha as suas peculiaridades, o processo de abertura de uma conta internacional acaba sendo muito semelhante em todas elas. Logo, para fazer a melhor escolha, é importante entender bem o alcance de serviços de cada uma lá fora e as condições que cada uma oferece.

Quanto tempo leva para cair dinheiro em uma conta internacional?

Em média, os principais bancos brasileiros levam dois dias úteis para disponibilizar os recursos em uma conta internacional, podendo esse prazo chegar a quatro dias. 

É possível fazer Pix internacional?

O Pix internacional ainda não está funcionando no Brasil, pois a ferramenta só permite a transferência de reais e entre contas no território nacional.

Em fevereiro de 2023, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, informou em entrevista que o Brasil está negociando o Pix Internacional com quatro países latino-americanos: Uruguai, Chile, Colômbia e Equador. Segundo ele, a ideia é de que esse tipo de transação se estenda a outros países da América Latina, formando uma espécie de bloco.

Em novembro de 2022, o BC informou que o Pix Internacional deverá ser implantado até o final de 2024. No entanto, ainda não existe nenhuma previsão de data para que isso aconteça.

Newsletter
Quer aprender a investir – e lucrar – no exterior?
Inscreva-se na newsletter do dragão e tigre para receber informações sobre tributação, procedimentos de envio e sugestões de alocação para seu dinheiro lá fora. É de graça!